• EQUIPES
  • SEDES
  • CAMPEÕES
  • JOGOS
  • ELIMINATÓRIAS
  • FOTOS
  • BLOG

Futebol/Mundial de Clubes - ( - Atualizado )

Com joias, Rolex e “uma perna”, Emerson irrita até holandês no Japão

Helder Júnior São Paulo (SP)

O atacante Emerson não deu preocupação apenas para zagueiros adversários durante a sua passagem pelo Japão. “Os tradutores que trabalharam com ele antes de mim não aguentaram. É um cara difícil”, cochichou o hoje ator e modelo Alexandre Bari, localizado em São Paulo pela Gazeta Esportiva.net para também contar algumas das confusões que o Sheik protagonizou no Urawa Reds, de 2001 a 2005.

Intérprete dos profissionais estrangeiros que estavam no clube japonês naquele período, Bari participou diretamente de muitas das polêmicas de Emerson. Afinal, ele era o encarregado de traduzir para os asiáticos as opiniões nem sempre amistosas do agora atacante do Corinthians. “Algumas coisas eram tão problemáticas que os dirigentes do Urawa começaram a pedir para eu tomar cuidado na hora de fazer a tradução para o Emerson. Mas eu teria que mentir?”, sorriu.

Conheça a história do ator Alexandre Bari
GE.net lança série especial sobre o Sheik
Nenê fala de bar, passado tricolor e "trairagem"
Tite revela punição e quer dica de caipisaquê
Antigo parceiro não torce por Emerson
Sucessor do Sheik no Japão é corintiano
'Xará' ajudou no parto de filho japonês de Emerson

Emerson, ao contrário, não se importava nem um pouco em falar a verdade para os seus superiores – sempre com o auxílio de Alexandre Bari. Quando o técnico holandês Hans Ooft assumiu o comando do Urawa Reds, por exemplo, o Sheik já havia adiantado que não teria paciência para esperar a completa recuperação de uma lesão: “Quero jogar, meu!”. O técnico ainda tentaria argumentar: “Recupere a sua melhor condição física antes. É melhor assim”. Na lembrança do tradutor da equipe, o brasileiro mostrou toda a sua autoconfiança na tréplica: “Vou jogar nessa p... e não quero nem saber! Com uma perna só, sou melhor do que todo mundo aí!”.

Reprodução
Alexandre Bari estava ao lado de Emerson Sheik quando o jogador foi eleito o melhor da J-League de 2003
Assumidamente avesso aos treinamentos, Emerson não desafiava o treinador holandês só com palavras. Hans Ooft tinha proibido os seus jogadores de utilizarem joias durante as atividades do Urawa Reds, evitando a exposição ao risco de cortes e arranhões. “Logo no dia posterior ao veto, o Emerson foi trabalhar com tudo o que tinha conseguido encontrar em casa: corrente, anel, brinco, pulseira... Tudo! Ele fez de sacanagem!”, rememorou Bari, às gargalhadas.

As cobranças pelo desrespeito à determinação de Hans Ooft não recaíram sobre o Sheik. “Que nada. O holandês chegou até mim e perguntou se o Emerson estava sabendo do que ele havia ordenado – também não entendo o medo que ele tinha de falar diretamente com o atleta. E eu confirmei que sim. É claro que eu havia traduzido direito para o Emerson. Ele estava ciente”, ratificou. “E você acha que houve punição? Um cara bom como o Emerson faz o que quer. Com o Tite, também deve ser assim. Se ele começa a jogar e a resolver em campo, você acaba relevando tudo.”

Emerson, de fato, foi decisivo para o Urawa – tanto quanto é no Corinthians atualmente. Sob a liderança de Hans Ooft, ele ganhou a eleição de melhor jogador do Campeonato Japonês em 2003 (conquistou a artilharia da competição no ano seguinte), apesar de seu time ter acabado a temporada apenas na sexta colocação. Além de se enfeitar com correntes, anéis e brincos, ele ainda vestiu um smoking para receber a premiação na festa de fim de ano da J-League. E quase saiu de lá com um novo e caro relógio no pulso.

Reprodução
Emerson estendeu a mão para pedir o relógio Rolex de Takeshi Okada, que levantou o dedo para negar
Diante de cinegrafistas e fotógrafos, Emerson não fez cerimônia para cobiçar um dos prêmios do melhor técnico de 2003, Takeshi Okada, que estava no Yokohama Marinos e já havia trabalhado com o atacante brasileiro no Consadole Sapporo. “Sabe aquele jantar que me prometeu? Como você ganhou dois Rolex [famosa marca de relógios de luxo], dê um deles para mim, que fica tudo em casa. São dois, pô. Um deles é meu”, cobrou o Sheik, deixando o treinador do time campeão sem graça.

Os japoneses, no entanto, não entenderam muito bem o humorado pedido do Sheik a Okada. “Como era a minha primeira vez na festa da J-League, eu estava muito nervoso. Acabei não ouvindo o que o Emerson tinha dito para o técnico e deixei de fazer a tradução. Mas todo mundo sabe o que é Rolex, seja em japonês, em português ou em qualquer outro idioma. Ficou chato para mim”, lamentou Bari. Depois do evento, o atacante reclamou: “Bari, por que você não falou para eles o negócio do Rolex?”.

Uma falha de comunicação também culminou em uma briga em que Emerson e Bari estavam do mesmo lado. Desta vez, quem se irritou com a dupla não foi um holandês ou um japonês – mas sim um brasileiro. “O Toninho Cerezo ficou muito bravo com a gente”, contou o intérprete. Na última rodada do Campeonato Japonês de 2003, o Kashima Antlers de Cerezo enfrentou o Urawa Reds com a necessidade da vitória para impedir o título do Yokohama Marinos. Vencia por 2 a 1 até o último minuto de jogo – quando o Sheik marcou o gol de empate e correu para o banco de reservas para comemorar efusivamente com o seu tradutor.

Reprodução
Este abraço que o Sheik deu em Bari, à frente do técnico holandês Hans Ooft, tirou do sério Toninho Cerezo
“A gente não tinha mais chances de ficar com o título, e o Emerson empatou no finalzinho. Nós nos abraçamos e comemoramos muito juntos. Parecia que a gente queria sacanear o Kashima, sabe? Depois disso, o Cerezo mudou a sua postura comigo, talvez achando que eu tinha tirado um barato dele”, contou Bari. “Não sei o que o Emerson estava pensando, mas eu não fiz para sacanear. Pensei que a gente poderia ter ficado em terceiro lugar no campeonato, ganhando um bichinho a mais. Foi um erro de informação. Mas eu realmente não gostava de perder para o Kashima. A gente tomava muita porrada deles. Eu queria ganhar em algum momento.”

Em alguns dos jogos do Urawa, quem se enervava era o próprio Emerson. A birra do atacante (um ferrenho crítico do STJD brasileiro) com os tribunais esportivos já existia naquela época. “Uma vez, ele deu uma cotovelada no adversário na frente do bandeirinha. Para os japoneses, isso é complicado. O cartão vermelho foi mostrado na hora. Se você é expulso assim no Japão, precisa dar depoimento aos comissários de arbitragem logo após a partida. Eles ouvem o jogador e já determinam a punição em seguida”, explicou Bari, que nem imaginava o tamanho do problema que estava por vir.

Dentro do ônibus do Urawa Reds, Emerson avisou que não prestaria esclarecimentos pela cotovelada: “Não vou p... nenhuma na comissão! Dane-se!”. Bari omitiu os palavrões, com um sorriso tímido, ao traduzir o posicionamento do jogador a um diretor do Urawa Reds: “Olhe, ele falou que não vai até lá...”. O dirigente entrou no veículo onde estava o elenco para tentar convencer o Sheik a mudar de ideia. A situação piorou. “Bari, fale para esse filho da p... que não saio daqui. E ainda vou dar um soco na cara dele!”, berrou o atleta.

Reprodução
Bari tinha trabalho para traduzir algumas das polêmicas declarações de Emerson em entrevistas
“Eu tentava amenizar aquelas declarações. Mas o nosso diretor, vendo a cara feia do Emerson, sabia que estava sendo xingado”, relembrou o intérprete, que resolveu a intriga com uma conversa. “Como o diretor era meio medroso, deixei que ele sofresse um pouquinho antes de intervir. Cheguei até o Emerson e expliquei que, se ele não fosse à comissão explicar aquela cotovelada, a suspensão poderia ser ainda maior do que um ou dois jogos. Não era um problema do diretor. Era um problema dele. Ficar cinco ou seis partidas sem atuar para quê? Por causa do diretor? Ele topou prestar o depoimento. Tipo assim: fez aquilo por mim. Mas não era por mim. Era por ele mesmo.”

Emerson não era o único a dar trabalho para Alexandre Bari. Em 2003, o Urawa Reds teve uma dupla de ataque explosiva: Edmundo, o Animal, foi contratado para ser o companheiro do Sheik. “Mas os caras se davam muito bem. Não tive dificuldades, até porque o problema deles não era comigo. O Edmundo é tranquilão, e eu sabia lidar com o Emerson”, minimizou o intérprete. “Lembro-me só de um episódio em que o Edmundo estava de cabeça quente e desabafou um monte de coisas na entrevista, contra técnicos e dirigentes. Perguntei se ele tinha certeza que queria aquilo traduzido, pois repercutiria mal. Ele autorizou.”

Mas Bari também tinha seus artifícios para evitar problemas. Experiente, o intérprete aconselhava técnicos e jogadores antes de entrevistas e tomava a liberdade de deturpar algumas situações. Quando algum treinador lhe pedia para que espionasse a conversa de um grupo de atletas brasileiros, por exemplo, ele aceitava à sua maneira. “Você não pode dizer que não vai, mas também não deve dedurar ninguém. O jeito é inventar uma história no meio do caminho, e pronto. Todo mundo fica contente”, sorriu, lembrando da inteligência do Sheik nesses casos. “Tenho certeza de que ele entendia bem o japonês. Como eu estava traduzindo, preferia ficar na dele. Mas certamente compreendia tudo o que estava acontecendo e usava isso a seu favor.”

Fernando Dantas/Gazeta Press
Hoje ator e modelo no Brasil, Bari acha graça das confusões protagonizadas por Emerson
Em dezembro, no Mundial de Clubes, Emerson terá as oportunidades de voltar a exercitar o seu japonês e de relembrar algumas de suas polêmicas vivenciadas na Ásia. “Para os japoneses, seria melhor se o Barcelona estivesse no torneio. O Chelsea não é tão atrativo. O Corinthians, menos ainda. Mas há o Emerson!”, mencionou Bari, abrindo um largo sorriso. “A torcida japonesa adora o Emerson. Ele era bem mais novo e ainda mais rápido quando jogou lá. Só parava se levasse um soco. Um craque. Uma figurinha. Gozado, não é? Ele não gosta de treinar e até se prejudica com essa postura, mas vai ganhando condições com os jogos. No Corinthians, foi a mesma coisa. E aquela história de ir ao treinamento de helicóptero? Tenho certeza de que foi uma das coisas planejadas dele, para chamar a atenção”, gargalhou.

Palmeirense, Alexandre Bari também tem em Emerson um motivo para acompanhar o Mundial de Clubes com um pouco mais de carinho neste ano. “Eu estava no Japão e fui ver o jogo quando o meu Palmeiras perdeu para o Manchester United, em 1999. Mas não sou tão fanático assim. Só não queria que o time caísse para a Série B. E também não fico torcendo contra os rivais. Tomara que o Corinthians faça uma boa campanha no Mundial, apesar de ter que tomar cuidado até com o representante japonês. Em 2007, o nosso Urawa já foi terceiro colocado, dificultando o jogo para o Milan”, alertou. “A experiência do Emerson no Japão pode ajudar. O Danilo também jogou lá, mas não era nem titular. Foi uma espécie de curingão, desses que entram no segundo tempo. O estilo dele é lento e tem mais a ver com o futebol brasileiro. No Corinthians, é um p... jogador. Já o Emerson era o cara lá e continua sendo aqui, filhão!”, reverenciou.

Os japoneses também já estão ansiosos com o retorno do “cara” que se destacava com só “uma perna”, cobiçava o Rolex dos técnicos adversários e provocava os seus próprios comandantes ao usar toda a sua coleção de joias para treinar. Querem saber se Emerson Sheik voltará a traduzir suas confusões em gols. “Na última vez em que estive no Japão, eles me perguntaram muito se o Emerson poderia viajar para lá. Ele teve problemas jurídicos, pagou algumas multas, mudou de nome para adulterar a idade... Os japoneses não aceitam isso. O Maradona, por exemplo, não pode entrar no país”, advertiu Alexandre Bari. “Bom, já sabe: se aparecer uma nova lesão no Emerson e ele não viajar, pode ser por causa desse entrave”, interpretou.

Reprodução
Sheik, o quarto agachado, festejou este título com uma faixa na cabeça por ter se chocado com um zagueiro

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade